Redes sociais
Arte RADIO

Fotos

Postado dia 14/11/2017 às 09:43:21

Para melhor rendimento, aulas devem começar após às 8h

Os horários escolares brasileiros são inadequados à aprendizagem. É o que apontam os estudos de Cronobiologia, área da ciência que estuda os ritmos biológicos. O assunto entrou em voga após o Nobel de Fisiologia ou Medicina premiar pesquisadores por suas descobertas sobre o relógio biológico interno dos seres vivos (conhecido por ritmo circadiano) e a Associação Brasileira do Sono (ABS) publicar manifesto a respeito dos horários escolares no País.

Os americanos ganhadores do Nobel isolaram o gene que controla o ritmo biológico dos seres vivos. De acordo com um comunicado do Instituto Karolinska de Estocolmo, responsável pela premiação, esse gene codifica uma proteína que se acumula nas células durante a noite e se degrada durante o dia.

O ritmo circadiano influencia em questões como o sono, níveis hormonais e comportamento das pessoas. Sua desregulação pode ocasionar depressão ou o fenômeno "jet lag", o que significa que a saúde está afetada.

Nesse sentido, a Associação Brasileira do Sono se posicionou a favor da mudança da organização temporal das escolas como uma das medidas fundamentais no processo de melhoria no desempenho acadêmico dos estudantes.

Segundo a instituição, além de causar problemas de saúde, a restrição de sono afeta o desempenho acadêmico de duas formas. Antes da aprendizagem: por aumentar a sonolência reduzindo a atenção e a prontidão. Após a aprendizagem: compromete sua consolidação, pois durante o sono o cérebro está ativo e trabalhando a serviço da consolidação da memória.

Sono e aprendizagem

O coordenador do Laboratório de Cronobiologia Humana (Labcrono) da Universidade Federal do Paraná (UFPR), professor Fernando Mazzilli Louzada, destaca que para crianças em idade escolar, entre 6 e 13 anos, é recomendado de nove a 11 horas diárias de sono. Já adolescentes, entre 14 e 17 anos, devem dormir de oito a dez horas.

Para a ABS, adolescentes têm maior dificuldade em antecipar os horários de dormir e acordar para se adaptar aos horários escolares matutinos, principalmente os que se iniciam antes das 8h. Por isso, a associação propõe que o início das aulas para os estudantes do sétimo ao nono ano do ensino fundamental e do ensino médio ocorra, preferencialmente, a partir das 8h30.

"Iniciar os estudos nesse horário permite um mínimo de quantidade e qualidade de sono e melhor aprendizagem. Obrigar o estudante a acordar muito cedo acaba impedindo que ele durma o tempo necessário", explica Louzada.

Estados Unidos é o país mais avançado nesse aspecto, porém outros países como Inglaterra e Israel já mostram experiências positivas. "É importante ressaltar que na maioria dos países europeus as aulas já começam após as 8 horas", relata o professor.

Com infomações da Redação Bonde com UFPR

 


envie seu comentário »

Arte aplicativo